Terça-feira, 17 de Abril de 2007

A ABERTURA AO MUNDO - O CONTRIBUTO PORTUGUÊS

 

 

Partindo das imagens, evidencia qual o contributo dos portugueses para o conhecimento (séculos XV e XVI): náutico, cartográfico e geográfico.

publicado por esfahistoriadores às 12:46
link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De Fausto Rafael Correia a 18 de Abril de 2007 às 20:30
Nas grandiosas descobertas dos séculos XV e XVI, Portugal foi, como sabemos, o maior dos pioneiros. No entanto esse pioneirismo não nasceu do acaso, resultou antes de uma capacidade de adaptação de saberes tradicionais em conjunto com a prática quotidiana dos navegadores portugueses e a utilização de outros meios técnicos capazes de ultrapassar as dificuldades. Com as navegações portuguesas no Oceano Atlântico, as técnicas de navegação evoluíram bastante. A navegação por rumo e estima é substituída pela navegação astronómica em que os portugueses foram exímios, tendo utilizado como apoio o Astrolábio fig. 1) e o quadrante, simplificados, e um novo instrumento náutico, a balestilha , assim como o registo e anotações nas tábuas de declinação solar. Ocorreram grandes mudanças estruturais na construção naval com a construção da Caravela Fig.2 ) e da Nau. Estas novas construções possibilitaram uma navegação melhor e segura, rápida, mais longa e também a navegação à bolina e o transporte de cargas mais avultadas.
Para além dos progressos a nível náutico não se pode descartar um grande progresso a nível da cartografia. Esta atinge uma perfeição e rigor impensáveis para a época, graças sobretudo à revisão das concepções medievais exemplarmente efectuada pelo denominado Planisfério de Cantino , o qual representa pela primeira vez terras do continente americano que servirá de modelo a vários cartógrafos europeus. Este progresso na cartografia alia os progressos científicos à arte, identificando a importância da vivência, da experiência. Aliás, foi a expansão marítima que proporcionou descrições notáveis da realidade observada, desenvolvendo o espírito crítico e impulsionando a manifestação da moderna ciência.


De Professor a 19 de Abril de 2007 às 16:14
Muito bem


De Miguel Angelo a 19 de Abril de 2007 às 21:15
Nos séculos XV e XVI, os descobrimentos marítimos ofereceram a Portugal importantes saberes técnicos e científicos. Contudo, foi na inovação nas técnicas náuticas e na representação cartográfica da Terra, bem como pela observação e descrição da Natureza que Portugal contribuiu para o aumento do conhecimento do mundo.
O pioneirismo português não foi obra do acaso, já que teve nas suas origens os conhecimentos divulgados por Árabes e Judeus como por exemplo, o astrolábio (fig.1), a bússola, o quadrante e a balestilha. Com as navegações portuguesas no Oceano Atlântico, as técnicas de navegação evoluíram bastante, e a navegação astronómica substituiu a navegação por rumo e estima.Com isto, houve um grande desenvolvimento da construção naval, onde as caravelas foram melhoradas com a aplicação de velas triangulares. Ao longo do séc. XVI estes barcos foram substituídos pelas naus e pelos galeões.
Para além dos progressos a nível náutico, houve também progressos a nível da cartografia, em que nos séculos XV e XVI houve um grande aperfeiçoamento, como por exemplo o planisfério de Cantino, que representa pela primeira vez terras do continente americano que servirá de modelo a vários cartógrafos europeus.


De Liliana Midões a 19 de Abril de 2007 às 21:23
Como sabemos o pioneirismo dos portugueses deu-lhes a oportunidade de adquirir um vasto conhecimento de culturas e várias etnias pelo mundo desconhecido. Isto foi lhes premitindo uma maior vantagem perante os outros países.
Conforme alargavam o seu conhecimento pelos oceanos e terras, também as técnicas precisavam de ir sendo aprefeiçoadas.
A partir do séc. XV até ao séc. XVI, Portugal contribuiu com inovação e novas técnicas naúticas.
A evoluçao começa pela substituição da navegação a rumo e estima para a navegação astronómica. Esta permitia-lhe navegar com orientação a partir dos astros e mais independência da costa. Para mais facilidade desta técnica contava-se com a ajuda de vários instrumentos , baseados na (fig.1) o astrolábio, a bússula, o quadrante e a balestilha.
Os portugueses desenvolveram também a cartografia, sendo a medieval muito simplista precisava-se de ir mais além e com promenor . Daí passa-se das cartas-portulano ao planisfério de Cantino(fig.3), onde se representa melhor o mundo e que limitava cada vez mais os segredos dos mares.
Cada vez mais exploradores e pragmáticos evoluiram a construçao naval. Necessitando de mais rapidez e mais espaço desenvolveram as caravelas com introduçao de velas triangulares que permitiam bolinar exemplo disso na (fig.2). Depois já estas substituem-se por naus e galeões.
concluimos que a ajuda dos portugueses contribui imenso para a evolução dos tempos.


De Luisa a 20 de Abril de 2007 às 22:47
No principio do séc. XV até finais do séc. XVI os portugueses adquiriram mais conhecimentos devido às navegações expandidas e desencadeadas por eles.
As dificuldades da expansão marítima eram inúmeras, então vários pilotos, astrólogos, matemáticos e cartógrafos procuraram obter soluções para esses problemas pelo qual os portugueses passaram. os principais progressos náuticos e cartográficos resultaram do aperfeiçoamento de técnicas muito antigas, difundidas por Árabes e Judeus, tais como:
-o astrolábio como se observa na primeira figura, era um instrumento que tinha como função orientar as navegações no oceano através dos astros. Isto oferecia um sentimento de segurança que lhes permitia navegarem mais longe da costa e assim percorrerem diversos locais;
- a bússola, sendo usada na navegação por rumo (uma navegação feita junto à costa com a intenção de não correrem o risco de se perderem); -a balestilha media a altura dos astros contribuindo assim, para a navegação astronómica ;
- o leme permitia mudar de direcção mais rapidamente;
- a tábua quadrienal de declinação solar permitia a obtenção da latitude;
- a caravela portuguesa tornou-se na embarcação ideal das viagens de exploração costeira, enquanto a nau e o galeão se impuseram nas viagens de longo curso (pode-se observar na figura2 uma caravela portuguesa);
-os guias náuticos e os roteiros resumiam os dados mais relevantes para a navegação.
Este desenvolvimento das invenções naúticas foram bastante siginficativas, não só para o enriquecimento de saberes técnicos e científicos dos portugueses mas também para estes utilizarem nas mais variadas funções.
Mas não foi só no conhecimento naútico que houve evolução, também ao nível da cartografia desenvolveram-se novas técnicas. Por exemplo, as cartas-portulano que eram mapas onde se assinalavam os portos e as rotas de navegação obtidas por meio da bússola. De facto houve um grande aperfeiçoamento a nível cartrográfico e exemplo disso é o planisfério de Cantino. Como se pode observar na figura 3 um exemplo de um mapa mundi do séc. XV e XVI.
Pode-se entao desta forma concluir que os portuguses operaram umauma verdadeira revolução nos conecimentos, descobrindo, nomeadamente, que as regiões equatoriais eram habitáveis e que a comunicação entre os oceanos Atlântico e Índico era possível. Graças à navegação astronómica, a cartografia registou um grande avanço, com base em informações exactas quanto aos contornos geográficos e às distâncias.


De Carolina Albuquerque a 22 de Abril de 2007 às 12:03
Foi ao longo dos séculos XV e XVI que se deu prioridade ao saber e à técnica, que se descobriram novas culturas, novas gentes, enfim, que se deu uma outra concepção e consciencialização ao mundo em que se vivia.
Ora, tendo os Portugueses já adquirido alguns conhecimentos, através de Árabes, Judeus e outros povos, tornaram-se nos pioneiros da descoberta de um novo mundo, tendo prestado um contributo assinalável em parâmetros como a renovação do saber, da ciência e da técnica. Os entraves com que se deparavam ao longo das suas viagens marítimas, levou a que estes aprofundassem e aperfeiçoassem a sua técnica de navegar.
Deste modo, ressurgiu o astrolábio (figura 1), porquanto uma das áreas onde a inovação mais se fez sentir foi ao nível da determinação das coordenadas geográficas; este, que, inicialmente, determinava a latitude, era um instrumento de orientação a partir da altura dos astros, baseando-se na observação da Estrela Polar (Hemisfério Norte), da altura meridiana do Sol, a partir de tabelas onde a declinação solar estava registada; apenas no início do século XVI é que se terão descoberto novos processos para a determinação da longitude, nos quais a balestilha é indispensável. É de salientar, ainda, o uso de outros instrumentos náuticos que muito contribuíram para a descoberta de novas terras e de novos mares: o leme de cadaste, a bússola e o quadrante.
Como se referiu anteriormente, a necessidade dos Portugueses se sentirem mais seguros nas suas navegações, levou, neste caso, a mudanças na construção naval. Proveniente, também, dos árebes, a caravela (ou cávaro) foi progressivamente aperfeiçoada: era um barco de porte médio, armado de vela triangular, com grande mobilidade, dotado de três mastros. A vela usada na caravela (vela triangular ou latina) facilitava a manobra, permitindo, assim, navegar à bolina, isto é, aproveitar a força contrária do vento. Mesmo assim, a necessidade de ter um barco mais resistente e de maior porte, levou á contrução da nau e do galeão.
Com a descoberta de novas terras e com o uso de instumentos que determinavam as coordenadas geográficas dessas mesmas, originou uma mudança na cartografia, que, no sentido de utilizar uma escala igual tanto para a latitude, como para a longitude, apenas confundiu os marinheiros, os quais apresentavam bastantes dificuldades na leitura das cartas. Consequentemente, a actualização decorrente do avanço da exploraçao marítima do Atlântico e do Índico culminou com o planisfério de Cantino (figura 3), onde, como se pode verificar, a África e o Litoral Brasileiro estão já representados.
Em suma, os Descobrimentos, para os quais os Portugueses muito contribuíram, engendraram uma nova sensibilidade, que a todos fez ver o mundo de um modo mais amplo e perspicaz.


De Andreia Geraldo a 23 de Abril de 2007 às 19:50
Como já foi referido, os portugueses foram pioneiros. Foi devido aos progressos e inovações dos instrumentos náuticos que surgiu a navegação astronómica, substituindo a navegação por rumo e estimativa. A construção naval evoluiu, surgindo as caravelas, as naus e os galeões. A cartografia evoluiu e foi aperfeiçoada, evolução que é dada pelo mapa de Cantino , passando de simples e incipiente para uma cartografia muito rica decorativamente! Os portugueses observarem e descreveram a natureza, adquirindo um novo saber através do experiencialismo , abrindo também caminho à ciência moderna.
Todas as alterações verificadas fizeram com que o mundo passa-se a ser conhecido de uma forma mais profunda.


De melanie a 23 de Abril de 2007 às 21:37
Os portugueses no conhecimento do mundo desempenharam um papel muito importante,como se pode verificar através do pioneirismo. Assim no século XV foi invadido por uma grande invasao de invenções de técnicas de navegação.Alguns dos principais instrumentos surgidos nas épocas das navegações foram o leme, a bússula , o astrolábio e o quadrante ,estes foram instrumentos de orientação a partir da altura dos outros.
As técnicas naúticas evoluiram desde os meados do século XV,devido aos avanços da navegação portuguesa.A nevegação a rumo com o passar do tempo tornou-se insatisfatória o que levou a uma revolução da navegação astronómica,com essa evolução poderam simplificar o astrolábio, o quadrante e inventaram a balestilha.
Com estes progressos passaram a ter dados astron´micos,oceanográficos, metereol´gicos e hidrográficos.
A cartografia foi um dos factores também importantes pa o alargamento do conhecimento do mundo.
Esta era muito insipiente e simplista.Dentro da cartografia medieval destacava-se a carta Portulano que apresentava algum promenor mas limitava-se ao espaço Europeu e Mediterraneo. Nos secúlos XV e XV dá-se um grande aperfeiçoamento,exemplo disso é o planisfério de Cantino.


De Didier a 17 de Maio de 2007 às 17:44
Foi a partir dos séculos XV e XVI que se começou a dar maior importância ao saber e à técnica.
Os portugueses foram os pioneiros na descoberta de um novo mundo, presente em diversos parâmetros como a renovação do saber, da técnica e da ciência. Foram as dificuldades que tinham ao longo das suas viagens marítimas que fez com que melhorassem a sua técnica de navegar.
Deste modo, apareceu o astrolábio, que podemos observar na figura 1, que consistia num instrumento para determinar coordenadas geográficas.
Apareceram mais tarde novos instrumentos, tais como, a balestilha, a bússola e o quadrante.
Ocorreram também mudanças em termos da construção naval; a caravela é um dos exemplos dessa alteração na construção naval.
A cartografia evoluiu também nesta época. Devido ao avanço da exploração marítima no Índico e no Atlântico realizou-se o Planisfério de Cantino, presente na figura 3.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. BOAS FÉRIAS!!!!

. MATRIZ DO TESTE

. ARTE RENASCENTISTA

. HUMANISMO

. TESTE - SUGESTÃO DE RESOL...

. A ABERTURA AO MUNDO - O C...

. RENASCIMENTO

. AS IMAGENS DA VISITA DE E...

. VISITA DE ESTUDO

. SENHORIOS E CONCELHOS

.arquivos

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds